sexta-feira, agosto 19, 2005

tá bonito tá!!!

Mau!!!
Arrependido da javardeira que ia neste nosso espaço blogueiro, decidi fazer uma posta assim a dar para o sério. Sem cocó, nem ranheta nem facada. Sem historias de vomito, de merda de bebedeira e de ganza.
Sem ofensas a intrusos nem fotografias de merda.
Puxei pelos poucos neurónios que me restam. Motivado pelas postas da CM e da Miss Caipira e falei do machismo. A coisa aparentemente funcionou.
Começou um dialogo onde por momentos aconteceu uma troca de opiniões. Funcionou por pouco tempo.
Pela primeira e única vez que o dialogo nesta casa virtual aqui estava a dignificar o espaço; pimba catrapus, aparece logo alguém a trazer a conversação para os seus padrões habituais...
Caraças deve ser sina.
O que mais me espantou foi a natureza do comentador...Falo-vos da ultima pessoa que se podia esperar... Quem haveria de dizer!! que ia imaginar que fosse a própria Balzakiana que tão educados e eruditos comentários tem feito neste blog, fosse a primeira a fazer descambar o paleio ...
Logo a Balzakiana...
Quando contabilizo as caralhadas que me saem em chorrilho e me imponho uma auto- censura... penso na Balzakiana.
Se por vezes decido controlar o vernáculo e fazer subir o nível. Digo para mim mesmo: “atenção ao autorrino que a Balzakiana às vezes também lê isto!!!! Coitada da senhora... parece ser tão educada e não tem culpa do teu português de docas e balcão de taberna....
Pois imaginem a minha surpresa e decepção!!!!
Como vai ser agora????
Se é a própria Balzakiana a vir falar em rabetagem e em tampões metidos no parreco das bichonas....Se é a própria senhora a levantar estes temas tão vis e ultrajantes uma pergunta surge:
O que vai ser deste blog!!!

Só falta o Zé da Penalva vir dizer que os erro de hórtográfia não tem puto de importância.

O machismo

A PROPOSITO DE DUAS POSTAS QUE LI
http://www.poucosozinho.blogspot.com/
http://penahavaiana.blogspot.com/


O machismo não é só culpa das mãezinhas. O machismo esta perfeitamente marcado na pressão social e na socialização a que os bebes que nascem com pila estão sujeitos.
Aos meninos oferecem-se automóveis em ponto pequeno e às meninas oferecem-se bonecas.
Eu tenho um filho. Dentro de uns dois meses tenho também uma filha e não sei como hei-de fazer...
Isto de nascer homem não é fácil. Ao meninos é-lhes sempre exigido tanta coisa que os homens têm tendência a tornarem-se inseguros. Os homens por serem naturalmente inseguros precisam de muito amor. Precisamos de amor das mães, das mulheres, das amantes, das colegas, das amigas, das desconhecidas. Um homem inseguro é uma esponja de amor e todos os homens são mais ou menos inseguros.
Ontem quando jantava com uma velha amiga de adolescência comparávamos o despertar sexual e ela falava-me em masturbações secretas, subtis e privadas em frente aos Duranduran e doutros que vinham na Bravo. Eu que sou da mesma idade recordo as masturbações “à vez” ou colectivas com revistas porno em que uma mesma gaja vestida de cabedal aviava três manos de bigode todos com marsapos tipo bracinhos de bebé!!!! Que diferença... e somos da mesma idade, do mesmo bairro e da mesma condição social....
Talvez as coisas tenham mudado na forma. Mas não acredito que tenham mudado no conteúdo.
Aos meninos é-lhes ensinado a serem competitivos. Os meninos comparam sempre os tamanhos. O tamanho do pai. O tamanho do brinquedo. O tamanho dos pêlos das pernas. O tamanho do pirilau. O tamanho da mota. O tamanho do charro. O tamanho da guitarra. O tamanho do carro. O tamanho da conta bancária. O tamanho das mamas da amante. A lista continua interminável.
Os meninos aprendem a ser agressivos uns com outros. Em tempos dei aulas de judo e a primeira coisa que os putos queriam aprender assim que subiam ao tatami era a espetarem com os outros putos no chão. Os pais inscrevem os meninos no judo porque ouviram dizer que as artes marciais fazem bem aos putos... os putos vão para as artes marciais para aprenderem a malhar nos outros!
Outro problema que ser homem tem é termos de aprender a lidar com a sensibilidade. Ao meninos ensinam que não os homens não choram. A sensibilidade é para gajas. Por isso os meninos têm dificuldade me lidar com as emoções. Quando ficam tristes embebedam-se e armam porrada na tasca ou (os mais covardes) batem nas mulheres... mas não choram.
Ligado ao factor competição está o sucesso. Aos meninos ensinam que é sucesso ter muito qualquer coisa. Ter muitos brinquedos. Ter muitas cicatrizes nas pernas. Ter muitos golos marcados. Ter muitos valores nas pautas. Ter muitas namoradas. Outra vez a lista é interminável. Os ídolos para muitos meninos são os futebolistas que têm muito dinheiro e namoram com gajas sempre boas e pouco vestidas. Os meninos crescem a pensar que o sucesso se mede em gajas e dinheiro. Como os meninos são competitivos comparam o volume de dinheiro e o numero de gajas.
Aos meninos é-lhe sempre exigido muito. È preciso serem os melhores no desporto e na escola. No salão de jogos e ao volante do carro. É preciso ser o melhor na briga da rua e em performance sexual.
Os meninos crescem mas muitos continuam a ser meninos.

Aqui entram as meninas. Só aqui entram as meninas. Nas relações com as meninas os meninos também têm um papel muito definido . Ao meninos é-lhes exigido que sejam simultaneamente sedutores, protectores e gestores de conflitos. É suposto amar, respeitar e tratar de igual para igual.... tratar de igual para igual é a parte mais complicada.
Como a socialização e o sistema de ensino continua a ser sexista, os meninos não vêm as meninas como iguais a si: “Com as mulheres é diferente” – ensinam-nos isso desde pequenos. Agora temos de aprender o contrário??? É complicado aprender novos modelos de comportamento... principalmente aos meninos a quem é exigido uma forma tão rígida de comportamento e transgressão.
As meninas também são culpadas. São educadas como meninas e quando se dá a inevitável emancipação do estigma de serem meninas querem (legitimamente) passar à categoria de seres humanos. O drama é que as meninas não querem perder o privilégio de continuar a serem meninas. As meninas também querem ter sucesso mesurável em cifrões e promoções mas acreditam que uma ida ao cabeleireiro vai mudar a sua vida. Pretendem ser administradoras de empresas, aprendem a ser agressivas como os piores meninos e ficam à espera que se lhes abra a porta para passarem. Querem ter tomates de aço nas mesa de negociações mas são coquetes e acham natural que fiquemos à espera enquanto vão retocar a maquilhagem. São directas e praticas e frontais como os homens devem ser e de repente desfazem-se em lágrimas por causa da tensão pré menstrual. Exigem serem tratadas como seres humanos de iguais direitos e depois esperma serem seduzidas à luz da lua. Querem poder discutir de igual para igual a escolha do mecânico e ficam ofendida se um tipo dá um peido sonoro!!!!
Claro que os meninos ficam confundidos... e quando os meninos ficam confundidos naturalmente falam das suas vantagens: o meu pirilau é grande, ganho muito dinheiro, tenho muitas namoradas, bato nos outros todos, peido-me mais alto... Tudo isto por insegurança.
As meninas quando são inteligentes detestam a exibição da boçalidade. Como são seres humanos compreendem a fragilidade do outro. Como são mulheres amuam.
É o drama do desencontro.
Como dizia o Vinicius. “ a vida é arte do encontro” e como todas as artes também esta deve ser feita com criatividade engenho e amor. Às vezes é difícil.

segunda-feira, agosto 15, 2005

Ezequiel, Luisa, Liliana e todos os outros intrusos...


VÃO COMENTAR A PUTA QUE VOS PARIU.
Flatulências a partir de 28/01/2006