sexta-feira, outubro 14, 2005

Venezuela si!!!


Ao longo destes últimos anos a luta que o povo venezuelano tem feito à ordem estabelecida na exploração do petróleo pelos americanos tem sido sistematicamente calada. A propósito da Venezuela muitas mentiras e inverdades têm sido ditas. Os media falam pouco da Venezuela e muito do pouco que falam é mentira.

Há varias razões para esta incompetência mediática:
A primeira e principal razão da má informação é porque em Portugal compramos as noticias em segunda mão aos gigantes mediáticos americanos, que vendem a verdade parcial passada pelo crivo de uma censura oficiosa.
Outra forma de fazer noticias sobre a Venezuela é copiar o que os órgãos de informação local divulgam. Acontece que os órgãos de informação locais são controlados pela oligarquia do petróleo, a classe dominante nos últimos 50 anos...logo t~em uma verdade muito parcial.
Há ainda as organizações de comunicação mais ricas e bem intencionados que se dão ao trabalho de enviar alguem a Caracas... e qual é a primeira coisa que um jornalista português faz nos estrangeiro? – vai procurar a comunidade portuguesa, neste caso é uma péssima ideia porque a comunidade portuguesa na Venezuela é dos sectores mais conservadores e reaccionários que conta ainda com alguns dos empresários fugidos ao 25 de Abril. (lembram-se dos portugueses que na africa do sul defendiam o aprtaid?? – estão ao mesmo nível , salvo raríssimas e honrosas excepções!!!) Toda esta gente critica o Hugo Chavez e acusam o homem que saiu da prisão para ser eleito presidente da republica de ser um ditador.
Por todas estas razão estamos mal informados.
A comunicação social em Portugal, ignora ou faz por ignorar que o presidente Hugo Chavez nos últimos cinco anos, ganhou nas urnas oito eleições democráticas, duas destas eleições com a presença de observadores internacionais.

Esta é a historia da incompetência dos nossos jornalistas em relação ao que acontece na Venezuela e ao “caso Hugo Chavez”
Mas a coisa não fica por aqui.

O Publico e o Diário de Noticias estão há duas semanas numa campanha de desinformação onde o unico governo do mundo democraticamente eleito oito vezes em cinco anos é de novo e consecutivamente achincalhado.

Deste vez é a propósito de um português que foi apanhado com algumas centenas de quilos de cocaína e que tentava sair do país num avião privado.
O que é que aconteceu ? Prendeu-se preventivamente o traficante e apreendeu-se o avião. Tal como em qualquer outro país civilizado.
Acontece que o individuo detido pertence a um lobie poderoso em Portugal. O inocente traficante é do lobie dos pilotos e os senhores aviadores começaram a mexer os cordelinhos.... Devem ter pago uns jantares a alguns directores de jornais e a coisa lá se arranjou...
Como os senhores que trabalham nos jornais às vezes também fazem uns biscastes como assessores nos ministérios tudo se foi arranjando. Deve ter aparecido um tipo que se fez voluntário e conseguiu meter começou a cunha no Negócios Estrangeiros...
Mas não chegou...
Os aviadores pensarem: ainda temos o Sampaio... quem é que conhecemos na Casa da Presidência da Republica, não há ninguém da Força Aérea, gente do nosso tempo??? E lá se encontrou um marechal com recordações de recruta partilhadas com um dos pilotos que conhece alguém que é amigo do outro que...
Todos sabemos que é assim que em Portugal as coisas funcionam.

O Sr. Embaixador da Venezuela já se manifestou e já disse quem em Portugal há cerca de 50 venezuelanos em prisão preventiva por trafico de droga e mais 300 a cumprir pena pelo mesmo crime... Os senhores jornalistas não percebem a mensagem e continuam a apontar para a casa dos outros quando o nosso rei anda sempre nu.
Lamentável não termos uma atitude digna... já nem falo numa atitude solidária com o governo da Venezuela... gostava só que Portugal tivesse uma atitude digna...

Agora vamos ver como é que o Sr. Presidente da Republica se comporta na conferencia de Salamanca... esperemos que (só) desta vez o Jorge Sampaio se lembre de quem o elegeu e não de quem lhe mete as cunhas... Pode ser que o Presidente Sampaio tenha uma posição firme em relação ao final do embargo a Cuba e que fique caladinho e assobie disfarçando quando se falar de extradições de detidos Haja esperança

segunda-feira, outubro 10, 2005

Sobre a vitória da CDU no Barreiro


Ontem o Carlos Humberto dedicou a vitoria da CDU no Barreiro aos comunistas que caíram nas nossas fileiras nos ultimatos 4 anos. Especificou:
“à minha mulher (Lurdes), ao Luís de Carvalho e ao Virgílio.”
Da Lurdes, lembro-me de vê-la na câmara do Barreiro e de ser a companheira do Carlos Humberto. As referencias que tenho dela são por isso através de outros. Comunistas e não comunistas todos ressaltam a sua honestidade e integridade total de quem era a responsável financeira da Barrinde e que sabia quanto tinha custado cada prego e quantas lâmpadas tinha sobrado do ano passado. Acompanhei de longe a esclerose múltipla que a levou. Vi a força do carácter dos filhos e do marido a assistir a tudo sem nada poderem fazer a não ser dar amor. Depois da dor vi o Carlos Humberto ainda mais convicto e ainda mais empenhado na luta. Nestes últimos tempo em que convivi com o Carlos Humberto quase diariamente, nunca o ouvi falar na mulher até ontem à noite quando no discurso eufórico para os milhares de comunistas presentes lhe dedicou esta vitoria........................................................
Do Luís de Carvalho lembro-me melhor. Comunista convicto elemento destacado da elite intelectual do Barreiro. Era presença constante em todos os eventos culturais do Barreiro. Recordo-me também do Luís de Carvalho porque era amigo do meu pai ( era do mesmo ano) e de como me chamou uma tarde num encontro da JCP tinha eu uns 16 anos e me disse: -- olhá lá pá tu não és filho do .... és tal e qual a cara dele... lembro-me de ter ficado intimidado e orgulhoso do meu pai e de mim porque de um camarada daquele destaque ter vindo falar comigo.... Mais tarde na sede distrital do PCP em Setúbal e com uma dos comunicados que eu tinha escrevinhado na mão lembro de me ter vindo felicitar -- fiquei tão vaidoso que ainda tenho la em casa o papel. Recordo ainda as conversas tecnicista sobre judo que o Luís de Carvalho tinha com o meu mestre, é que o Luís foi um judoca excelente e um dos primeiros cintos negros do Barreiro. No ano em que o cancro o assassinou fui ao funeral do Luís e do seu filho João também meu amigo e camarada que uns meses depois se despistou na estrada no Meco na pressa de ir ter com o pai..................................................
Do Virgílio foi aquele de quem fui mais próximo. O Virgílio era uma camarada também da geração do Luís de Carvalho e do Carlos Humberto e que sempre foi funcionário do PCP. Foi da geração de jovens comunistas que fizeram o 25 de Abril, militante ainda no fascismo mas com um trabalho desenvolvido sobretudo em democracia. Conheci-o quando eu era repórter do Avante, no final dos anos 80 inicio dos anos 90. O trabalhamos juntos em Setúbal. Morreu no ano passado e eu só tive conhecimento disso há três semanas.
O Virgílio era gago e por isso nas reuniões falava muito pouco. Mas quando falava todos nós nos calávamos para ouvir a sua analise sempre pertinente e apurada. Era de uma inteligência de gelo e diamante e as suas intervenções cortavam como um bisturi a direito todas as meias verdades. Quando o Virgílio começava a gaguejar para intervir todos nós, camarada mais novos e mais velhos ficamos em expectativa porque sabíamos que o Virgílio não era homem para falar por falar. Profundo conhecedor do materialismo dialéctico tinha a capacidade e a inteligência de adaptar o marxismo às questões mais simples do dia-a-dia. Sempre afável e delicado conseguia pôr-nos o dedo na ferida com uma frontalidade tal que todos ficávamos desarmados perante tal acuidade intelectual.
Quando no inicio deste ano o Carlos Humberto me disse que era o candidato da CDU à câmara do Barreiro e me chamou para trabalhar, claro que fiquei orgulhoso contente e motivado. Quando já em plena campanha a minha camarada P me disse que o Virgílio tinha morrido fiquei chocado. Fiquei triste de ja não podermos contar com o Virgílio. Acima de tudo fiquei decepcionado comigo mesmo por não ter ido ao funeral daquele homem e senti-me em divida com a sua memoria. Porque sou convictamente comunista fiquei ainda mais empenhado na nossa luta e por ele procurei com trabalho, dedicação e empenho esta vitoria.
O povo do Barreiro votou e todos os comunistas ficamos contentes. Vivos e mortos.
Tenho a certeza que o Virgílio lá onde ele estiver com o seu eterno cigarro na mão, está muito calado a analisar os resultados das eleições. Na célula lá do céu dos comunistas do Barreiro, que ele tratou de organizar, quando a euforia dos camaradas acalmar, o Virgílio vai falar e vai demonstrar a toda a gente que afinal a vitoria não foi assim tão grande como isso e que ainda há muita coisa para fazer, que o nosso maior inimigo são os nossos próprios defeitos e que a nossa luta é permanente e sem descanso. Depois vão-se distribuir tarefas e o Virgílio vai escolher ficar com aqueles que dão mais trabalho e menos protagonismo... e vai cumprir com o planificado. ....................................................................
Eu que não pertenço à cepa do Virgílio, cá por baixo faço a festa com o meu camadas vivos e acho que o mais difícil já foi...
Flatulências a partir de 28/01/2006